← Voltar

DEFESA INSTITUCIONAL

Mercado marginal das associações de proteção veicular – NOTA DE REPÚDIO

Imprimir
Compartilhar no Telegram

O Sindicato dos Corretores e das Empresas Corretoras de Seguros, Capitalização e Previdência Privada do Estado de Goiás (SINCOR-GO) manifesta sua indignação e repúdio contra o dito Sindicato das Empresas de Proteção Veicular do Rio de Janeiro, que processou a corretora de seguros Sheyla Márcia Gonçalves Nunes, de Niterói (RJ), por danos morais, em razão de a profissional ter enviado uma nota ao presidente do Vasco da Gama manifestando seu repúdio ao fato de o clube ter aceitado patrocínio de uma associação de proteção veicular.

O SINCOR-GO solidariza-se com a corretora, que foi surpreendida dias depois com a notificação do processo por dano moral e agora conclama as entidades do setor a se manifestarem a respeito dessa ação. Sheyla Márcia Gonçalves Nunes, utilizando-se do direito à liberdade de expressão, foi vítima de uma tentativa de intimidação por ter denunciado publicamente o presidente do Vasco da Gama, que agiu de forma não idônea ao aceitar o patrocínio de proteção veicular, mesmo sendo público e notório que tais associações agem irregularmente no mercado, pois as mesmas não têm regulamentação, atuam sem provimento técnico ou cálculo atuarial e não dão garantia aos consumidores nem pagam impostos.

Esta entidade, que zela pelos direitos dos corretores de seguros que agem de acordo com a legislação e princípios de ética é, como todos os SINCORs do País, vigilante quanto ao mercado marginal. Por isso, não podemos nos abster e vamos oficiar dois times de futebol do estado que adotaram práticas semelhantes à do Vasco da Gama, aceitando o patrocínio de empresas de proteção veicular: o Goianésia Esporte Clube e o Goiânia Esporte Clube. Oficiaremos também a Federação Goiana de Futebol por permitir que os uniformes da arbitragem goiana mantenham também marca de associação de proteção veicular.

A todos os corretores goianos e brasileiros fica o nosso apelo para que também expressem sua indignação frente a mais estas arbitrariedades cometidas por este segmento ilegal.

Lucas Vergilio
Presidente do SINCOR-GO